A auto-gestão do comum

Neste post vou abordar brevemente outra obra de interesse para os estudos de cibercultura: o livro Governing the Commons: The Evolution of Institutions for Collective Action, de Elinor Ostrom (1933-2012), cientista política norte-americana, ganhadora do Prêmio Nobel de Economia em 2009.

Clique aqui para baixar o livro.

Ostrom se dedicou ao estudo da ação coletiva na gestão de recursos comuns, com ênfase nas estratégicas de auto-organização. Neste livro seminal, ela aborda casos de governança de bens comuns como, por exemplo, o manejo da pastagem no Japão e na Suíça e os sistemas de irrigação em comunidades das Filipinas, a fim de identificar práticas e critérios que favoreceram sua sustentabilidade.

Na sua visão, o sucesso na auto-gestão de comunidades cooperativas depende de alguns princípios norteadores, entre eles:

1. Limites claramente definidos da comunidade envolvida;
2. Regras claras sobre apropriação e provisão de recursos comuns, adaptadas às condições locais;
3. Acordos coletivos que permitem que a maioria participe do processo de tomada de decisão;
4. Monitoramento do comportamento dos participantes;
5. A escala de sanções graduais para quem viole as regras comunitárias;
6. Mecanismos de resolução de conflitos de fácil acesso.

Em minha pesquisa de mestrado, na qual analisei o website Slashdot, recorri aos seus estudos para pensar a auto-organização daquela comunidade virtual. De fato, pude observar ali a existência da maioria dos princípios elencados por Ostrom. Na época, o que mais me chamou a atenção foi identificar um sistema de monitoramento distribuído na gestão de uma comunidade hacker baseada na colaboração. Sua obra me ajudou a perceber o papel do controle para o sucesso da cooperação. Daí me veio o título da dissertação: “Cooperação e Controle na rede: um estudo de caso do website Slashdot.org.

O importante a ressaltar é como sua obra pode servir a projetos e experiências de auto-organização na gestão de bens comuns, no ambiente virtual ou físico, como uma orientação para se pensar em estratégias para a sustentabilidade dessas iniciativas.

Para conhecer um pouco mais do pensamento de Elinor Ostrom, vale assistir a esta entrevista, concedida em 2010, ao programa Sem Fronteiras.

3 Comentários

Arquivado em Autoria Colaborativa, Cibercultura, Commons, Tecnologias da Cooperação

3 Respostas para “A auto-gestão do comum

  1. Reynaldo Carvalho

    Feliz Natal para você e toda a sua família !!!!!!!!!!!!!

  2. Pingback: A sustentabilidade dos commons | Autoria em rede

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s