Open Science, a pesquisa científica colaborativa

Nesta quinta-feira, vou dar uma palestra na Fundação Oswaldo Cruz sobre o tema Criação Coletiva, Patrimônio Intelectual e Inovação. Por conta disso, estive pesquisando alguns casos de autoria colaborativa na área da Saúde. Fiquei sabendo, então, que já existem muitas iniciativas de Open Science, um modo de pesquisa científica que se inspira no modelo produtivo do software livre. Isto é, os estudos são feitos colaborativamente, de forma aberta, as diversas etapas vão sendo divulgadas, sem a preocupação com o registro de patentes ou com a prévia publicação de artigos, o que é padrão na pesquisa tradicional.

Por exemplo, conheci duas iniciativas muito interessantes direcionadas à investigação das chamadas doenças negligenciadas, que afetam cerca de 500 milhões de pessoas no mundo. São os casos de doenças que não oferecem uma perspectiva de lucro para os laboratórios e por isso as pesquisas sobre medicamentos específicos para elas são deixadas de lado (!?). Uma dessas iniciativas é a Open Source Biomedical Research, lançada em 2006, dedicada ao estudo das doenças tropicais, típicas de países em desenvolvimento, numa abordagem colaborativa e aberta. Atualmente o foco do trabalho é em pesquisas sobre tuberculose, esquistossomose, malária e toxoplasmose. A iniciativa é aberta, basta se registrar para começar a contribuir. Todo o conteúdo da plataforma está registrado sob uma licença Creative Commons Attribution 2.5 (pode compartilhar, remixar ou comercializar, mas tem sempre que citar a atribuição de autoria). Vale a pena dar uma olhada no site deles, pois traz links para vários textos sobre projetos Open Science.

Na mesma linha é o projeto Open Source Drug Discovery, financiado pelo governo da Índia, que pretende agregar o conhecimento de vários especialistas numa plataforma colaborativa aberta com o objetivo de descobrir novos medicamentos para as doenças que afetam a população dos países em desenvolvimento. O projeto existe desde setembro de 2008 e atualmente tem mais de 4.500 usuários registrados de mais de 130 países. Seus princípios de trabalho são Colaborar, Descobrir e Compartilhar, com base no lema “cuidados de saúde acessíveis a todos”. Os medicamentos que forem criados a partir desta iniciativa serão comercializados como genéricos, sem registro de Propriedade Intelectual. Ao invés disso, eles criaram uma licença própria para proteger o conhecimento gerado de forma coletiva.

Como se vê, o modelo open source se espalha pelas mais diversas áreas do conhecimento e da atuação humana. Assim, vai se comprovando sua superioridade como um método capaz de reunir as competências, sem barreiras, para somar esforços e inteligências em prol de um objetivo, seja um sistema operacional eficiente ou medicamentos para a prevenção e cura de doenças. Todos trabalhando juntos pela Internet, chegando mais rápido às soluções e de forma muito mais barata.

Posto o vídeo com Mat Todd (em inglês), um dos coordenadores do Open Source Biomedical Research. Para ele, a maior vantagem da pesquisa open source é sua rapidez. Por isso mesmo, acredita que em pouco tempo o modelo industrial tradicional de pesquisa em medicamentos estará obsoleto.

2 Comentários

Arquivado em Autoria Colaborativa, Open Science, Propriedade intelectual

2 Respostas para “Open Science, a pesquisa científica colaborativa

  1. Pingback: A ciência e a propriedade intelectual | Autoria em rede

  2. Pingback: Da Ciência Aberta à Ciência Comum | Autoria em rede

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s