Processos criativos intersubjetivos – uma breve história

Quando se fala em processos colaborativos na atualidade por vezes existe uma tendência a enxergá-los como fenômenos extremamente originais e até mesmo revolucionários. Isto acontece, acredito, por uma ausência de uma reflexão mais calcada na história das práticas sociais.

Exatamente para fugir dessa visão, a meu ver equivocada, tenho buscado entender os processos autorais intersubjetivos que hoje têm lugar nas redes interativas como parte da história da autoria.

Nesse estudo, pude constatar que de fato a noção da autoria como algo de natureza individual e subjetiva surgiu num momento específico da História, momento esse marcado, não por acaso, por uma ênfase na autonomia, na racionalidade e na interioridade: a Modernidade.

A noção da autoria como um processo individual ganha ainda mais força no período do Romantismo, quando as qualidades subjetivas são ainda mais acentuadas. Uma qualidade muito própria, um talento único, destaca o gênio criador dos meros copiadores.

Mas antes disso, os processos criadores eram predominantemente colaborativos, feitos das intervenções de diversos agentes co-autores.

A questão homérica, por exemplo, tem ocupado pesquisadores há séculos, tentando decifrar afinal quem é o autor de Ilíada e Odisséia. Não existem provas definitivas a respeito, mas muitos pesquisadores acreditam que as obras são um registro de criações coletivas oriundas da cultura oral e que o nome Homero pode ser de uma pessoa que tenha liderado essa escrita ou somente um tipo de chancela cultural – como um carimbo na forma de uma assinatura – para validar aquele conteúdo.

Na Idade Média, o ofício coletivo da escrita é bem conhecido. Diferentes agentes eram os responsáveis pelo manuscrito de livros: o copista, o compilador, o comentador e o autor. As marginálias dos livros, com o registro de comentários, perfaziam uma segunda obra, com as interpretações do conteúdo original.

Essa breve passagem pela história da autoria serve para mostrar como os processos criativos colaborativos foram a regra na maior parte do tempo. E mesmo no período em que esse processo ganhou um perfil mais individualizado, ainda podemos questionar até que ponto a inspiração subjetiva não é fruto da própria cultura que é, por definição, coletiva. Como afirmou Barthes, em seu célebre artigo “A Morte do Autor”: “o texto é um tecido oriundo de mil focos da cultura”.

Então, quando vemos hoje a grande disseminação de projetos de autoria coletiva na rede, devemos entendê-los como um retorno dessas práticas sociais mais antigas que estiveram em certo desuso durante algum período.

A questão é que hoje temos também o individual como parte da configuração dessa autoria em rede. Como argumenta o professor Jean-Louis Weissberg, o que observamos é a existência de um “autor em coletivo”, uma produção coletiva, sem dúvida, mas na qual a nomeação, ou o crédito, de cada contribuição deve ser explicitamente registrada, a fim de que possa participar de uma economia do dom, na qual a reputação desempenha um papel fundamental.

Levantei aqui alguns pontos, de forma bem sucinta, de argumentos que desenvolvi de forma mais profunda no artigo “O que é a autoria em rede?”, que está disponível na página Escritos, neste blog.

Acredito que essas reflexões ajudem também a pensar uma série de fenômenos atuais, interligados, como a cultura do remix e a pirataria, para citar apenas alguns. Pretendo abordar esses desdobramentos em posts futuros.

4 Comentários

Arquivado em Autoria Colaborativa

4 Respostas para “Processos criativos intersubjetivos – uma breve história

  1. Pingback: A escrita em meio digital | Autoria em rede

  2. Pingback: Remix ou plagiocombinação – algumas referências | Autoria em rede

  3. Gizele Caparroz de Almeida

    Olá, Beatriz

    Parabéns pela sua pesquisa! Sou professora de Produção de Textos em um colégio em Cotia-SP e coordeno o projeto Eu Escrevo, em que a escola toda produz um livro em torno de um mesmo tema. Tenho me interessado muito pela questão da autoria. Em tempos de Internet e construção coletiva nos deparamos com a questão do plágio nas escolas e ainda nos comportamos como se estivéssemos no século XIX. Uma nova etiqueta está surgindo, com crédito aos autores de projetos coletivos, não é! Gostaria de convidá-la para uma palestra aos alunos do Ensino Médio em momento oportuno (talvez 2º sem de 2012) para que abordasse um pouco da História da Autoria e da autoria em rede, abordando também a questão do plágio.
    Aguardo resposta.
    Profª Gizele Caparroz de Almeida – Colégio Sidarta – Cotia-SP

    • Olá Gizele,

      Você tem toda razão. Muitos ainda encaram a questão da autoria com a referência do passado. Na verdade, é toda uma estrutura de produção e distribuição de bens culturais que está sendo transformada e isso gera também muita resistência.

      Teria muito prazer em dar a palestra em seu colégio. No entanto, eu moro no Rio de Janeiro, o que dificulta um pouco as coisas. Vou a São Paulo só eventualmente, para cumprir compromissos do doutorado.

      Quem sabe não fazemos um evento à distância? Seria uma boa oportunidade de explorar mais amplamente os recursos da Internet.

      Obrigada pela visita e pelo comentário.

      Um abraço,

      Bia

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s