Quem tem medo da Reforma?

Transcrevo abaixo o artigo de Guilherme Carboni, publicado na Folha de São Paulo no dia 07/08/2010.

Muitas das críticas que vêm sendo feitas ao projeto de reforma da Lei de Direitos Autorais brasileira (Lei 9.610/98), encabeçado pelo MinC, pretendem passar a idéia de que o direito autoral estaria sendo minguado em prol de um certo “dirigismo” e “intervencionismo” do Estado nessa matéria, o que não é verdade. O direito autoral, garantido aos criadores como um direito privado pelos tratados internacionais e pela nossa Constituição Federal, não está sendo atacado no projeto de reforma.

O que o texto do projeto procura deixar claro é que o direito autoral, como todo e qualquer direito privado, não é algo absoluto, devendo sofrer restrições em determinadas circunstâncias, especialmente quando o interesse público deve preponderar. Além disso, ele deve dialogar com outros direitos fundamentais, como os direitos culturais, o direito do consumidor, o direito à educação e o direito de acesso à informação e ao conhecimento. A reforma pretende trazer um melhor equilíbrio ao sistema do direito autoral, harmonizando os interesses dos titulares de direitos com os da sociedade.

Para que se possa estabelecer um melhor equilíbrio, visando a um melhor atendimento da função social do direito autoral e à promoção do desenvolvimento nacional, há que se alterar dispositivos da lei atual, alguns dos quais já foram assimilados por determinados segmentos do setor cultural, que, por essa razão, oferecem resistências às mudanças. Novos institutos também devem ser criados, como é o caso das licenças não voluntárias, que tanta polêmica tem gerado, pelo fato de permitir ao Poder Público, conceder a um particular, devidamente legitimado, mediante sua solicitação, autorização para traduzir, reproduzir, editar e expor obras protegidas, desde que a licença atenda aos interesses da ciência, da cultura, da educação ou do direito de acesso à informação, em casos expressamente estipulados pela lei, sempre mediante remuneração ao autor ou ao titular da obra.

Na busca pelo melhor balanceamento, o projeto de reforma também amplia o rol das limitações de direitos autorais, que são aquelas hipóteses em que a lei permite a livre utilização de uma obra protegida, sem a necessidade de autorização dos titulares de direitos. Nesse aspecto, há vários benefícios trazidos pela reforma, como a permissão da cópia privada (aquela feita em um único exemplar, para uso privado e sem intuito comercial); da reprodução para garantir a portabilidade ou interoperabilidade; da reprodução voltada para a preservação do suporte, tão importante nos projetos de digitalização de acervos; e do uso de obras para fins educacionais e de pesquisa.

A reforma mantém o sistema de gestão coletiva para o recolhimento de direitos autorais devidos pela execução pública de músicas, que é de responsabilidade do ECAD, além de ampliá-la para outros setores, como o do audiovisual. Antes da publicação do projeto de reforma, cogitava-se na criação de um instituto que teria um papel bastante importante na política autoral brasileira. Uma de suas funções seria a de fiscalizar o ECAD na distribuição de direitos aos autores. Infelizmente, a proposta foi considerada “estatizante” (como se a gestão coletiva passasse a ser gerida diretamente pelo Estado) e o instituto não vingou. Portanto, fica aqui a pergunta: medo de que?

Guilherme Carboni é Mestre e Doutor em Direito Civil pela Faculdade de Direito da USP. Possui Pós-doutorado pela ECA-USP. Autor do livro “Função Social do Direito de Autor”

3 Comentários

Arquivado em Direito Autoral

3 Respostas para “Quem tem medo da Reforma?

  1. Pingback: Remix – uma antiga novidade « Autoria em rede

  2. Pingback: Pela continuidade da cultura livre no Minc | Autoria em rede

  3. Pingback: A lamentável retirada do Creative Commons do site do MinC | Autoria em rede

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s